Prezados usuários,

em respeito à população igarapavense, a Santa Casa de Misericórdia vem, através desta nota, esclarecer que está ciente da reunião irregular, ilegítima e direcionada, que ocorreu nesta terça-feira (11), em que alguns integrantes do Conselho Municipal de Saúde recomendaram às autoridades competentes, a intervenção da instituição.

Lamentamos que o trabalho que vem sendo desenvolvido no único hospital local não tenha o reconhecimento destes integrantes, que baseados em informações inverídicas, publicadas em redes sociais, exponha a Santa Casa e os seus profissionais a este tipo de desgaste.

Uma intervenção, nos moldes em que vem sendo citada, deve, primeiramente, se basear em atividades fraudulentas, incapacidade administrativa e prejuízos à sociedade.

Devemos salientar que as ações de transparência da Santa Casa, nos últimos anos, mostram a evolução de uma instituição que tem se reformulado, dia após dia, com a ampliação de serviços, aquisição de equipamentos com melhores tecnologias, estabilização financeira, cumprimento rigoroso às  normativas do Plano Operativo do Sistema Único de Saúde (SUS), chegando a atender até 97% dos requisitos exigidos.

A Santa Casa conquistou e tem mantido, nos últimos anos,  a Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social (CEBAS), que possibilita a organização usufruir da isenção das contribuições sociais, tais como a parte patronal da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamento, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social e Contribuição PIS/PASEP, permite ainda a priorização na celebração de contratualização/convênios com o poder público, entre outros benefícios. Mas isso só é possível se a organização atender a vários e rigorosos requisitos.

Além disso, a Santa Casa atingiu 88% no Programa Nacional de Avaliação de Serviços de Saúde (PNASS) que verifica a estrutura, processos de trabalho, resultados relacionados ao risco e satisfação dos usuários em relação ao atendimento recebido nas instituições.

Nosso trabalho não tem sido reconhecido apenas pela sociedade, pelos funcionários que vestem a camisa da instituição ou por seus administradores e gestores. Temos submetido o nosso trabalho a órgãos responsáveis pela fiscalização de hospitais em todo o país. Os bons resultados devem ser considerados e, sobretudo, comemorados por toda Igarapava.

Quanto a supostos erros médicos que foram levantados como bandeira da solicitação do pedido de intervenção, estamos cientes da gravidade dos fatos, e trabalhando para esclarecê-los, visto que, não cabe à Santa Casa julgar e punir profissionais que são fiscalizados e normatizados por autarquias independentes, neste caso o CRM (Conselho Regional de Medicina) e o CFM (Conselho Federal de Medicina).  O trabalho da Santa Casa é cumprir o que estas autarquias determinarem.

Por tudo isso, ainda que não seja justa tal solicitação da intervenção, estamos certos de que o bom senso sobressairá aos interesses pessoais e políticos, perceptíveis nesta ação que não reflete, em nada, a realidade da Santa Casa de Misericórdia de Igarapava.